quinta-feira, 16 de julho de 2009

Fogo




No peito
a chama de um fogo antigo

Nos olhos
a brasa de mil promessas

Nas mãos
o calor da tua loucura acesa



*

7 comentários:

Nilson Barcelli disse...

Eu não sei fazer poemas assim pequeninos. Às vezes tento, mas sai sempre do mesmo tamanho...
A tua capacidade de síntese é notável, só pode ser isso.
Gostei querida amiga, o poema é excelente.
Beijo.

Duarte disse...

O mesmo que uma "FALLA" a arder!...

A chama ergue-se, e tudo devora.
Quando se apaga,
fica o rescaldo que,
realmente, é o que mais aquece.

Beijinhos

Carla disse...

palavras em brasa
beijo

Vieira Calado disse...

Curto

simples

bonito!

Cumprimentos meus.

~pi disse...

quente de calor

] quente de água s




beijo





~

Paulo disse...

assertivo e ampla.mente conciso

na plenitude de uma poesia a ser asa

rasa

sublime

. um beijo meu .
. um bom fim de semana .

Brancamar disse...

E que tudo continue assim, é sinal de vida..., mais vale estar vivo de saudade, que vazio de sentimentos...
Beijinho grande