quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Mar




O bramido do mar, hoje,
chega até aqui
mesmo através da janela fechada.

As ondas desfazem-se
em espuma.

Há um forte cheiro
a maresia.

Em mim permanece
a nostalgia de outro mar
... tu.


*

6 comentários:

Maria disse...

Belo o teu mar. Belo o teu poema...

Beijo

Duarte disse...

Pôr-do-sol,

limite dum mar,

Imenso.

Fica tudo vermelho,
ao rubro:
foi-se embora!

Beijinhos, meus

. Intemporal . Paulo . disse...

. da nostalgia [tu] és as espuma do lugar de mim . aqui ,,, .

. bel.íssimo .

. beijo meu .

Vieira Calado disse...

Um mar bem azul e esbelto,

penso...

Beijinhosss

Duarte disse...

Que essa inspiração tua brote incessantemente...

Um abraço

. intemporal . disse...

. re.volto para deixar um beijo e o desejo de um bom domingo .

. andorinha .

. sempre ,,,

. paulo .