quarta-feira, 2 de abril de 2008

Imortalidade


Quando eu tiver partido
fechado os olhos
fugido
não me procurem
reparem
estarei na gota de chuva
virei no sopro do vento
em cada raio de lua
trazida na onda do mar
perdida no firmamento
na mais pequena flor
reparem
sou eu
ainda
.

9 comentários:

poetaeusou . . . disse...

*
andorinha,
acredita que
estarás em todo lado,
,
conchinhas
,
*

Daniel Fich disse...

Bom Dia Andorinha, que o seu vôo seja eterno e intermitente!

Transcrevo uma béla musica nativista, Utópica, esperançosa, confrontante.

Campeando, um rastro de glória, vem o sovado de pealo
Erguendo, a poeira da história, nas patas do meu cavalo
O índio, que vive em mim, bate um tambor no meu peito
O negro, também assim, tempera e adoça o meu jeito
Com laço, e com boleadeira, com garrucha, e com facão
Desenhei, pátria e fronteira, pago querência e nação

Eu sei que não vou morrer
Por que de mim vai ficar
O mundo que eu construí
O meu Rio Grande o meu lar
Campeando as próprias origens
Qualquer guri vai achar

Sou a gaita corcoveando, nas mãos do velho gaiteiro
Dizendo por onde ando, que sou gaúcho e campeiro
Eu sou o moço que canta, o pago em cada canção
E traz na própria garganta, o eco do seu violão
Sou o guri pelo duro, campeando um mundo de amor
E me vou rumo o futuro, tendo no peito um tambor.
Origens
Neto Fagundes

Quem sabe o GURI do Neto Fagundes e a sua ANDORINHA, não serão como Xisto e o Passaro encantado.......

Abraços

multiolhares disse...

Se somos pó das estrelas
Podemos ser um pouco de tudo e estar presente em todo o lado
beijinhos

Adriana disse...

SEmpre lindo!!

rendadebilros disse...

Enquanto não partires, lança as asas ao sol e vibra com a brisa da vida1!!
Beijos . 'brigada pela visita. Aparece mais vezes que andorinhas são sempre bem-vindas!

Fernando Rozano disse...

ser em todos os momentos, para além da vida que aqui vivemos. terno poema. abraços.

Brancamar disse...

Que lindo Adorinha! Pois, eu também acho que ressurgimos em tudo que é natureza. Eu vejo os meus queridos ausentes em tantos, tantos momentos desses...! Momentos de Paz em que eles estão ali na tranquilidade do meu espaço interior.
Beijinhos
Branca

Brancamar disse...

Voltei porque a fotografia é tão espectacular e eu não lhe fiz referência! É tranquilizante pousar os olhos nestes azuis, nesta lua e nesta beleza imortal de uma natureza sempre renovada...
Tudo de bom para ti
Beijinhos

Ana disse...

Encontrar-te-emos nas pétalas de uma margarida,
nas asas voadoras de um pássaro,
numa cascata a dançar com as algas...
...e em nós, no nosso sorriso pintado por ti.

Beijos

(Imortalidade... Grande título. Frez-me lembrar um livro do Milan Kundera, com o título "A Imortalidade", é genial!)