terça-feira, 11 de dezembro de 2007

Como é possível...




Diz-me, amor, como é possível
que o mundo gire assim,
que haja estrelas a brilhar,
o sol nasça e se deite.
se não estás ao pé de mim.

Diz-me, amor, como é possível
existir o mar sem fim,
que ondulem as searas,
que murmurem os regatos,
se não estás ao pé de mim.

Diz-me, amor, como é possível
haver flores num jardim,
que voem as andorinhas,
que cantem os rouxinóis,
se não estás ao pé de mim.

E, sendo assim impossível,
mais uma dúvida, enfim.
Como posso respirar,
bater o meu coração,
se estás tão longe de mim?


*Junho 2001

7 comentários:

Entre linhas... disse...

Um amor desejado e sentido,a saudade é vizinha da solidão,os anseios são grandes.
Bjs Zita

Amaral disse...

Como é possível... não sermos todos como a andorinha que se passeia, bela e misteriosa, nas estradas dos céus, dona de si, dona dos seus, olhando do alto, sem quaisquer receios?...
Um poema muito terno, muito solto, muito amigo de se ler...

un dress disse...

mas é possível.

/o impossível.

Sophiamar disse...

Andorinha, comoveste-me com um poema tão bonito. O teu amor virá, descansa. Há lá amor que resista ao apelo de uma andorinha? Nem pensar!
Deixo-te beijinhossss

multiolhares disse...

O mundo continua a girar
Mas não com as mesmas cores
Beijinhos
luna

Brancamar disse...

Ah, como é belo o amor, tudo gira à volta dele, como eu te compreendo! É ele que dá mais côr às coisas, mais vida à vida.
Beijinho.

O Quarto da Lua disse...

E o amor continua a fazer girar o mundo.
Um abraço