domingo, 9 de dezembro de 2007

Mar



Eu gosto do mar,
azul, profundo,
batido pelo vento,
maior que o mundo.

Gosto do mar
que foi berço da vida,
onde tudo começou
e será a despedida.

Gosto de ver o mar
ao sol-pôr, à tardinha,
quando chegam as gaivotas
e a praia fica sozinha.

Gosto de ouvir o mar
em noites de tempestade,
quando as ondas batem fortes
nos rochedos da saudade.

Mas gosto mais de o sentir,
carícia fresca na pele,
afago doce, envolvente
como os braços de um amante
... inexistente.


*Abril2001

7 comentários:

O Quarto da Lua disse...

Também gosto do mar,
de cor da prata pintado
Feito espelho a mostrar
O rosto do meu amado

As andorinhas anunciam a Primavera. Estará o Inverno a acabar?
Um abraço

Blueshell disse...

É sempre um prazer vir aqui

Simplesmente soberbo. Abraço, Bshell

Sophiamar disse...

Sabes que o mar é a minha paixão. Já lá o viste sempre presente. Este poema é lindo! Foi feito por ti?
Adorei. Voltarei por esta hora, amanhã, ou à noitinha.
Continua, Andorinha!
Beijinhosssss

Baby disse...

Andorinha, que poema lindo este que nos ofereces! Amei cada verso...O mar, sempre o mar a encantar e a inspirar quem o contempla.
Obrigada pela visita,fica como um pesente de Natal!
Deixo um beijinho e voltarei sempre.

Maria disse...

Vim conhecer-te.
Temos paixões em comum: o mar e a poesia.
Aqui, andam de braço dado....

Entre linhas... disse...

O amr aquela força envoltente como fonte de inspiração.
Bom início de semana
Bjs Zita

Brancamar disse...

Lindo!
Vida, amor e mar andam aqui de braço dado.
O Mar é isso tudo que tu dizes muito bem neste poema.
Bj