sábado, 26 de julho de 2008

Ocaso




É tua
a derradeira labareda,
raio de sol no ocaso
que brilha, já não aquece.
É tua
a chama que se extingue,
fogueira que se apaga,
vermelho feito em cinza.



*

8 comentários:

Odilon disse...

Se as primeiras sensações são fortes e inesquecíveis, também as derradeiras podem ser. Bom fim de semana.

Maria disse...

É tua
esta inspiração
que te faz escrever
assim....

Beijo

Multiolhares disse...

Não deixes o por do sol esmorecer
Ele é lindo tem de ser eterno
beijinhos

Duarte disse...

Parece um mar de fogo,
como o raio de Sol, teu,
se fez incandescente;
a chama que tu avivas...

Bom domingo

Beijos

poetaeusou . . . disse...

*
só tu
renasces
o fogo do deste olhar,
,
afogueadas conchinhas
,
*

Adriana disse...

Cores quentes.Adorei fota e o poemaBoa semana!

Carla disse...

brela labareda a condizer com o vermelho sobre o qual eu escrevi também
beijos

~pi disse...

lua

fénix

tua


~