segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Réstia de luz




Desfeita que foi a teia,
perdidos todos os laços,
recordo em silêncio profundo
o sabor dos teus abraços.
Na noite que me envolve,
imóvel, sem respirar,
espero o nascer do dia,
aguardo um novo mar.



*

11 comentários:

em azul disse...

Se há uma réstea... aguarda!
Eu faria o mesmo.

Um beijo
em azul

Duarte disse...

Bonita letra para um fado...

A esperança é o último que se perde, e mais ainda se essa réstia de luz persiste.

Que sejas muito feliz

Beijos

Baby disse...

Subscrevo inteiramente o teu pequeno, mas lindo poema!

Que a esperança permaneça em ti!

Um beijo.

mundo azul disse...

Por vezes é preciso mesmo, serenar e esperar um outro dia amanhecer...

Bonito!


Beijos de luz e um dia muito feliz!!!

poetaeusou . . . disse...

*
feliz amanhecer, amiga,
,
conchinhas,
,
*

~pi disse...

tudo é novo todos os dias

[ na cor dentro dos olhos :)




~

Carla disse...

todos os dias aguardo um novo mar...um novo fôlego
beijos

João Videira Santos disse...

A foto, o poeminha...gosto!
(...e assim se prova que um poema para ser ilucidativo não precisa longo e aborrecido...)

Multiolhares disse...

O dia tambem te aguarda
beijinhos

Adriana disse...

Muito lindo!
Bom dia!

Carla Silva e Cunha disse...

Olá
gostava que fosse a:
arte-e-ponto.blogspot.com